Índice de desempenho mostra evolução na qualidade de atendimento oferecido pelos planos de saúde

Evolução da qualidade de atendimento

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgou, nesta sexta-feira (23), os resultados do Programa de Qualificação da Saúde Suplementar – avaliação anual do desempenho das operadoras de planos de saúde. A partir do ano-base 2015, o Índice de Desempenho da Saúde Suplementar (IDSS) mostra que, das 975 empresas avaliadas, sendo 695 do segmento médico-hospitalar e 280 exclusivamente odontológicas, 25,9% obtiveram nota entre 0,80 e 1,00 (nota máxima) e 54,9% ficaram com pontuação entre 0,60 e 0,79 – o que representa, nessas duas faixas somadas, uma abrangência de 94,6% do total de beneficiários registrados no ano passado (64,8 milhões).

“É mais um sinal claro da evolução do sistema de saúde suplementar, que está aperfeiçoando a qualidade do atendimento prestado e o relacionamento junto aos consumidores. Claro, que, obviamente, há espaço para melhorar ainda mais o desempenho. Mas esse resultado mostra que estamos no caminho certo”, afirma Solange Beatriz Palheiro Mendes, presidente da FenaSaúde (Federação Nacional de Saúde Suplementar) – entidade representativa de operadoras de planos e seguros de assistência à saúde.

O IDSS aponta, ainda, que houve um número maior de operadoras que subiram de faixa em relação as que desceram em comparação entre os anos-base 2014 e 2015. Do total de 975 empesas avaliadas, 302 (31%) mudaram de um nível mais baixo para um superior, enquanto 175 (18%) caíram de um patamar superior para outro inferior.

O programa da ANS permite que o beneficiário acompanhe de perto a qualidade de atendimento prestado pelo seu plano de saúde. Para as seguradoras e operadoras, trata-se de uma forma de monitorar e aprimorar os serviços oferecidos – um estímulo a mais à concorrência no setor. Atualmente, são 48,3 milhões de beneficiários de planos de assistência médica e 22,3 milhões de consumidores em planos exclusivamente odontológicos que compõem o setor de planos de saúde no Brasil.

Confira as lista de indicadores selecionados pelo IDSS:

Para definir o Índice de Desempenho de cada operadora, foram analisados 29 indicadores distribuídos nas quatro dimensões. Confira:

Dimensão: Qualidade em atenção à saúde (7 indicadores)

Proporção de parto cesáreo;
Taxa de internação por fratura de fêmur em idosos;
Número de consultas médicas ambulatoriais selecionadas por beneficiário com 60 anos ou mais;
Proporção de procedimentos preventivos em saúde bucal;
Proporção de exodontias entre procedimentos odontológicos individuais;
Programa de promoção da saúde e prevenção de riscos e doenças;
Programa de operadoras apoiadoras.
Dimensão: Garantia de acesso (13 indicadores)

Taxa de citopatologia cérvico-vaginal oncótica;
Taxa de mamografia;
Número de consultas médicas ambulatoriais por beneficiário;
Taxa de internação hospitalar;
Proporção de consulta médica em pronto-socorro;
Índice de sessões de quimioterapia sistêmica por consulta médica;
Número de consultas odontológicas iniciais por beneficiário;
Proporção de próteses odontológicas unitárias;
Dispersão de procedimentos e serviços básicos de saúde;
Dispersão da rede assistencial hospitalar;
Dispersão de serviços de urgência e emergência 24 horas;
Dispersão da rede assistencial odontológica;
Quantidade de beneficiários com pelo menos um hospital acreditado.
Dimensão: Sustentabilidade no mercado (5 indicadores)

Proporção de beneficiários com desistência no primeiro ano;
Taxa de fiscalização;
Taxa de resolutividade de Notificação de Intermediação Preliminar (NIP);
Recursos próprios;
Disponibilidade financeira.
Dimensão: Gestão de processos e regulação (4 indicadores)

Percentual de qualidade cadastral;
Índice de regularidade de envio dos sistemas de informação;
Índice de efetivo pagamento do ressarcimento ao SUS;

Este artigo foi adaptado do site:: Segs

Comments

comments